|

Quem trabalha com o transporte de carga sabe que manter os caminhões em bom estado de conservação é fundamental para garantir a capacidade produtiva do negócio, ao realizar a manutenção preventiva do veículo.

E é por isso que a manutenção preventiva deve fazer parte do cronograma da frota.

Contudo, quando se trata de manutenção, há receio ao investir em recursos para o procedimento.

Porém, sem uma boa revisão e manutenção dos veículos, o risco de parar a operação aumenta, resultando em prejuízos para a empresa.

Portanto, veja como você pode garantir que a manutenção preventiva esteja em dia, e saiba o que não deve faltar no seu plano de controle. Boa leitura!

O que é manutenção preventiva?

Manutenção preventiva é um conjunto de ações estratégicas para fazer a prevenção de falhas antes mesmo que elas aconteçam, otimizando a operação do negócio.

Esse tipo de manutenção consegue diminuir os possíveis impactos que esses problemas causam no desempenho dos caminhões.

Assim, a manutenção preventiva é a responsável por assegurar que os veículos estejam aptos para circular em boas condições, resultando em mais segurança para os motoristas e outros agentes envolvidos no trânsito, assim como, para a própria carga.

Além da manutenção preventiva, existem outros tipos que podem, inclusive, causar mais prejuízos à frota. Abaixo, confira quais são as diferenças entre elas.

Qual a diferença entre manutenção preventiva, corretiva e preditiva?

A manutenção preventiva não é a única que o gestor de frota deve estar atento. Além dela, ainda temos a manutenção corretiva e preditiva.

Cada uma delas possui um papel fundamental para o bom funcionamento da frota e consequentemente, o desempenho da sua transportadora. Acompanhe!

Manutenção preventiva

A manutenção preventiva é a responsável por mitigar eventuais falhas nos caminhões. É por esse motivo que, ao longo do tempo, ela acaba sendo muito mais vantajosa do ponto de vista econômico.

Além disso, conforme a Norma Regulamentadora n.º 12 (NR 12), que trata da segurança no trabalho, equipamentos e máquinas, a manutenção preventiva é obrigatória e deve ser realizada periodicamente.

Manutenção corretiva

A manutenção corretiva é a mais cara, ao acontecer em caráter de urgência. É quando o caminhão quebra no meio da viagem, ou acontece algum acidente, por exemplo.

Dessa forma, o veículo acaba ficando parado para os reparos serem feitos.

Além disso, esse tempo tende a ser maior, ao recorrer a um mecânico em cima da hora, saindo bem mais caro que um plano de manutenção preventiva.

Imprevistos acontecem, por isso, a manutenção corretiva não pode ser vista como algo totalmente negativo, mas, com planejamento e ações de prevenção, elas podem ocorrer com menos frequência.

Manutenção preditiva

A manutenção preditiva é aquela que acontece periodicamente para fazer a verificação dos dados do veículo.

Geralmente, esse tipo de vistoria é muito complexa. Exige que o gestor faça relatórios atualizados acerca do desempenho da frota.

Com isso, é possível tomar decisões baseadas em dados, mitigando a necessidade de reparos não previstos.

Nesse cenário, entre as questões analisadas nesse tipo de manutenção, estão:

  • a análise de vibração;
  • a inspeção visual da frota;
  • o ultrassom e a análise de ruídos.

Qual a importância da manutenção preventiva para a frota?

A manutenção preventiva traz diversos benefícios para a gestão de frota, garantindo vantagens relacionadas à produtividade, custo e segurança. Essas vantagens incluem:

  • menor custo com reparos e tempo ocioso associado a problemas inesperados;
  • maior confiabilidade e vida útil aos veículos;
  • menos imprevistos no plano de gestão da frota;
  • redução do risco de acidentes e multas por irregularidades.

Vale ressaltar, que ainda é comum a falta de atenção dos gestores com relação à manutenção preventiva, adiando ao máximo as vistorias.

Atrelado a isso, quando não se tem a ajuda de um software para o acompanhamento do desempenho, os gestores acabam não conseguindo aproveitar todas as vantagens que esse tipo de manutenção proporciona.

Portanto, ao criar um cronograma de prevenção, a eficácia da frota se desenvolve fortemente.

Além de diminuir o número de veículos parados, como ainda possibilita ao gestor um ótimo planejamento orçamentário.

O que não pode faltar no controle de manutenção preventiva da frota?

Quando o assunto é manutenção preventiva de veículos pesados, existem alguns itens que devem ser observados. Confira o checklist abaixo!

  • Troca de óleo do motor e filtro de óleo;
  • fluido de direção hidráulica e do sistema de transmissão;
  • funcionamento do sistema elétrico e luzes;
  • líquido de arrefecimento;
  • condições dos pneus: pressão e estado em que se encontram;
  • análise de juntas, mangueiras, correias e outros
  • alinhamento, freios e suspensão do veículo;
  • verificação do sistema de combustível e de refrigeração.

Além disso, a cada seis meses, o gestor precisa fazer a revisão da suspensão e dos freios dos caminhões.

Já a revisão de lonas e tambores devem ser verificados a cada dois mil quilômetros. Evitando qualquer tipo de imprevisto nas estradas.

Todos os itens deste checklist devem ser observados com a máxima atenção, por serem de fundamental importância para o bom funcionamento da frota.

Dessa forma, não devem ser excluídos na hora da vistoria.

Checklist logístico - baixe o material

Quais as consequências em não fazer a manutenção preventiva da frota

Além dos prejuízos para a frota e para a qualidade de trabalho dos motoristas, não fazer a manutenção preventiva dos caminhões pode gerar danos maiores, como acidentes de trânsito.

Em 2022, foram registrados cerca de 64.447 acidentes nas rodovias federais brasileiras. Essa estatística poderia conter números menores se os veículos passassem regularmente por revisões periódicas.

Nesse cenário, ao manter um plano de manutenção preventiva da sua frota, é possível evitar:

  • desgastes dos pneus;
  • aquecimento excessivo dos motores — gerando um custo bem alto e manutenção corretiva;
  • falhas no sistema de freios — um risco gravíssimo;
  • problemas na bateria;
  • consumo excessivo de combustível;
  • falhas no balanceamento dos pneus — causando acidentes graves;
  • amortecedores e molas danificados.

Em que a falta de manutenção pode afetar o Gerenciamento de Riscos?

Como você pôde perceber, a manutenção preventiva deve fazer parte de um plano de gerenciamento de riscos que precisa, obrigatoriamente, contar com um checklist de controle de manutenção de frota.

Assim, facilita o entendimento sobre a falta de manutenção preventiva, responsável por deixar motoristas “na estrada”, atrasando as entregas.

Essa situação, além de causar grandes prejuízos financeiros para a logística da empresa, coloca em risco a vida do motorista do caminhão.

Além disso, seguindo um cronograma de atividades relacionadas à manutenção preventiva, é possível pesquisar por preços de peças e serviços, tornando a manutenção da frota mais barata, simultaneamente, em que é possível aumentar a sua eficiência.

Quanto custa a manutenção preventiva?

Em média, com menos de R$ 200,00 o caminhoneiro faz a revisão completa. Se o caminhoneiro preferir, a oficina pode disponibilizar um reboque para trazer o caminhão para verificar os danos.

Então para ter uma gestão de frota sem problemas, protegendo o motorista, a carga e o caminhão, lembre-se de sempre fazer a manutenção de sua frota, assim diminuirá o risco de imprevistos.

Agora que você sabe o que não pode faltar em um plano de controle de manutenção preventiva, siga essas dicas e fique atento à periodicidade das atividades.

Com isso, você otimiza recursos e aumenta a eficiência do transporte.

Além dessa medida, nossas soluções de gerenciamento de riscos, como o Programa de Prevenção de Acidentes, envolve essas e outras questões importantes para garantir o bom funcionamento da frota, diminuindo imprevistos e zerando o número de ocorrências nas estradas.

Para isso, clique aqui e converse com um dos nossos especialistas.

To top