Contratação de frete rodoviário: como fazer

Resumo

Se quiser, pule para a parte do seu interesse:

Compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

O frete rodoviário é um dos principais custos logísticos e administrar essa despesa pode ser um problema se a escolha do fornecedor e a programação das cargas não forem bem-feitas. Cerca de 12% do faturamento das empresas são destinados à logística e o transporte consome uma fatia generosa desse valor.

O serviço de transporte de cargas é calculado com base em uma série de variáveis que resultam no valor final do frete rodoviário. Nele são considerados a coleta, o transporte e a entrega das mercadorias. No Brasil, as más condições das rodovias, o preço elevado do combustível, a alta carga de impostos e a insegurança nas estradas fazem do cálculo do frete uma tarefa difícil.

Neste artigo, vamos mostrar como fazer a contratação assertiva do frete rodoviário, um item estratégico e fundamental para a competividade das empresas. Se não for bem administrado, esse custo pode causar prejuízos a embarcadores, transportadores e elevar o preço das mercadorias, onerando inclusive os clientes.

Tabela de frete

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é a responsável pela regulamentação do transporte rodoviário no Brasil. Além de emitir o Registro Nacional dos Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC), a ANTT também orienta, fiscaliza e supervisiona a prestação de serviços de movimentação de cargas. Nesse contexto, a ANTT regula e define os pisos mínimos do frete rodoviário para o transporte de cargas no país. Com a tabela de frete e a regulamentação de valores de referência, a intenção é evitar prejuízos para caminhoneiros, transportadores e embarcadores.

A tabela de frete foi instituída em 2018 com a publicação da Medida Provisória 832 , mais tarde convertida na Lei 13.703/2018 , que instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas.

Com valores de referência estabelecidos, a ANTT estabelece a tabela de frete rodoviário mínimo, orientando e padronizando a cobrança sob a recomendação de que nenhuma transportadora ou caminhoneiro autônomo cobrem um valor menor do que o definido na tabela de frete rodoviário.

Definição do frete rodoviário

Para definir o piso do frete rodoviário, é levado em conta basicamente o tipo de carga, o número de eixos do caminhão e a distância a ser percorrida.

As cargas são divididas em geral (fardos, caixas, engradados, sacos etc.), granel (carga líquida ou seca embarcada, sem contagem de unidades), neogranel (pode ser contada, mas não embalada, como automóveis, por exemplo), frigorificada e perigosa.

Considerando essa classificação, a ANTT prevê os custos fixos (salário, encargos sociais, depreciação do caminhão) e variáveis (manutenção, combustível etc.). A tabela leva em conta ainda os tipos de fretes:

  • Carga lotação – capacidade do caminhão totalmente preenchida ou carregamento para um mesmo cliente, com entrega direta no destino;
  • Operação com apenas um veículo;
  • Carga lotação de alto desempenho – serviços que levam menos tempo de carga e descarga;
  • Contratação de apenas um veículo de cargas de alto desempenho.

Frete rodoviário e os fatores de influência

O piso mínimo de frete rodoviário é definido com base na categoria da carga, distância e número de eixos do caminhão. Para compor o frete, são levados em conta também o frete básico (tarifa X peso ou volume da mercadoria), taxa ad valorem (percentual cobrado sobre o valor da mercadoria) e seguro rodoviário obrigatório.

Neste último caso, os percentuais são aplicados sobre o preço FOB (free on board) da mercadoria.

Conheça os principais fatores de influência para o cálculo do frete rodoviário:Distância: quanto maior o deslocamento do veículo, maiores os custos com combustível, tempo, desgaste do veículo, jornada do motorista etc.

Prazo de entrega: entregas urgentes podem ter valor de frete rodoviário mais alto, em função da demanda diferenciada.

Tipo de carga: operações de maior complexidade, como cargas frigorificadas ou perigosas, tem valores de frete diferenciados.

Valor da carga: quanto mais valiosa a carga, maiores os riscos de roubo e, consequentemente, mais caro o maior será o investimento no frete rodoviário.

Combustível: há variações no preço do óleo diesel dependendo do Estado ou região do país e, por isso, esse componente tem peso considerável no preço do frete.

Condições das rodovias: se o trajeto até o destino da carga for precário, com buracos, com trechos não pavimentados ou outras dificuldades para a realização da viagem, isso é computado no valor do frete. As condições inadequadas das estradas aumentam o desgaste, o risco de acidentes e a necessidade de manutenção nos caminhões.

Pedágio: muitas rodovias do país são administradas pela iniciativa privada e o preço do pedágio interfere no valor do frete.

Classificação da carga: o frete rodoviário também varia de acordo com o tipo de carga, como fechadas, compartilhadas, para um único destino, para vários destinos etc. No caso de fretes para mais de um embarcador, o valor pode ser dividido entre os clientes.

Volume e peso: esses dois fatores são essencialmente considerados para definir o valor do frete rodoviário. Cargas muito volumosas ou pesadas exigem mais profissionais e equipamentos específicos para o embarque e desembarque, o que aumenta o custo da operacionalização e transporte.

Depreciação e manutenção dos caminhões: ao definir o valor do serviço de frete, as empresas devem considerar custos com a manutenção dos veículos, troca de pneus, componentes e fluídos, além de outros ajustes mecânicos.

Seguro das cargas e dos veículos: o seguro resguarda transportadores e embarcadores, mas como o Brasil é um dos recordistas em acidentes e roubo de cargas, o custo com os seguros pode ser elevado, o que acaba influenciando nos custos gerais do frete.

Gerenciamento de riscos: dependendo do tipo e do valor da carga, as empresas utilizam estratégias diferenciadas para gerenciar os riscos e reduzir os sinistros, como as escoltas, por exemplo. Nesse caso, o serviço de frete também aumenta.

Integração de modais: no caso de entregas multimodais, que exigem transbordo e integração com outros modais que não o rodoviário, há alteração no valor do frete.

Impostos: o Brasil tem uma elevada carga tributária, que incide sobre as operações logísticas e de transporte de cargas. Evidentemente, esses valores são computados na hora de fazer o cálculo do frete.

Taxa Ad valorem: incluída na tabela de fretes, essa taxa representa o custo do seguro da carga.

Dificuldades de acesso ao cliente ou taxa de reentrega: a TDE (taxa de dificuldade de entrega) é cobrada em caso de restrições que dificultem o serviço de transporte rodoviário ou destinos perigosos para a entrega. Já a taxa de reentrega é cobrada quando o cliente não pode receber a carga e há necessidade de novas tentativas.

Simplifique e automatize a contratação do frete rodoviário

Mapear os processos operacionais, automatizar as atividades de contratação de serviços de transporte e investir em tecnologia são medidas essenciais para reduzir os custos logísticos e as despesas com frete rodoviário.

Open ONE

Para quem busca eficiência na seleção de transportadores, o Open One oferece a solução. O sistema desenvolvido pela Opentech  auxilia e automatiza a contratação e distribuição da oferta de cargas considerando o melhor custo-benefício.

A ferramenta é totalmente online e elimina as cotações e contratações por telefone, whatsapp ou e-mail. Além disso, distribui as demandas de carregamento aos transportadores cadastrados por meio de aceite on-line.

Os embarcadores também podem localizar os caminhões em um mapa interativo e fazer programações automáticas, negociando com os prestadores de serviço diretamente pelo sistema. Outra vantagem é o acompanhamento em tempo real de todos os veículos, vazios ou carregados.

Os benefícios do Open One incluem:

  • Redução no tempo e nos custos de contratação do frete rodoviário;
  • Identificação inteligente e automatizada de veículos disponíveis;
  • Auditoria dos registros de cada negociação;
  • Padronização e automatização dos processos;
  • Melhoria do compliance.

Fale com os nossos especialistas e saiba mais sobre as vantagens dessa tecnologia.

E já que você está por aqui, aproveite para ler também Cabotagem e transporte rodoviário: 4 benefícios da gestão intermodal eficaz.

Open News!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das principais novidades no mundo dos transportes.
© 2022 Opentech Soluções em Gerenciamento de Risco e Logística. Todos os direitos reservados.
© 2022 Opentech Soluções em Gerenciamento de Risco e Logística. Todos os direitos reservados.